15/05/2019
Tamanho
 

Comissão geral da Câmara ouve ministro da Educação e socialistas cobram mudanças

Luis Macedo/Câmara dos Deputados   
 

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, compareceu à Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (15), após convocação para explicar os cortes no orçamento das universidades públicas e de institutos federais. Na compreensão da Bancada do PSB, o maior desafio brasileiro se dá precisamente sobre a Pasta que o ministro dirige. O líder socialista, deputado Tadeu Alencar (PE), destacou em discurso na tribuna o conjunto de equívocos cometidos pelo Governo Federal nesses cinco meses.

"O Brasil inteiro esperava que, com a chegada de vossa excelência no Ministério da Educação, pudesse trazer um novo alento, mas suas medidas são atacar as universidades e institutos federais. Isso é uma aberração e uma visão obscurantista que efetivamente não combina com o Brasil que avançou muito nos últimos anos com a democratização da Educação", afirmou o líder se dirigindo ao ministro Weintraub.

Ainda sem seu discurso, Tadeu Alencar criticou a apresentação do ministro a respeito da situação vigente. “Seus argumentos são absolutamente inaceitáveis, não venha desafiar a inteligência deste plenário trazendo informações primárias. Fique certo, vossa excelência, que há uma quantidade muito grande de pessoas que contestam suas medidas nesse governo antipopular e antinacional", finalizou o líder.

Durante o debate, o ministro Weintraub disse que a comissão geral é uma oportunidade para elucidar informações "distorcidas" que estão gerando mal-estar na sociedade. “Há um desejo legítimo de esclarecimento sobre uma questão tão importante quanto a educação", disse. Segundo ele, o País ainda não conseguiu atingir as metas para universalização da creche e pré-escola e, apesar de as crianças terem acesso ao ensino fundamental, os resultados são ruins.

O ministro também explicou que o Governo Federal pretende investir na alfabetização como uma ferramenta de superação de desigualdade. Disse ainda que o ensino técnico precisa ser valorizado e que não faz sentido as vagas serem oferecidas apenas pelo setor público. De acordo com ele, há 500 mil vagas de empregos para tecnologia e não há pessoas para ocupar essas vagas.

Mesmo diante de todas as explicações do representante do Poder Executivo, a comissão geral foi marcada por embates e trocas de acusações. O líder da Oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) discursou na tribuna e mostrou preocupação com as ações do ministro Abraham Weintraub. "Se o senhor não for interrompido, conseguirá causar um grande mal à educação brasileira. Eu pergunto: qual foi o critério utilizado para definir o percentual de corte? A quem o ministro serve? O senhor vai respeitar os profissionais de ciências humanas?", indagou Molon.

O deputado Danilo Cabral (PSB-PE) lembrou ações de grandes políticos socialistas de valorização da educação, como a do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que implantou o ensino integral no Estado. Hoje, Pernambuco tem mais escolas de tempo integral dos que os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. “Ele fez tudo isso não só com a fala, mas priorizando orçamento. É isso que, de fato, mostra quando alguém tem interesse em resolver a questão da educação”, afirmou. 
 
Danilo também cobrou honestidade do ministro ao fazer referência ao Plano Nacional de Educação (PNE), Política de Estado construída pela sociedade brasileira. “Não venha para cá dizer que tem dinheiro sobrando na educação brasileira. Vá dizer isso ao professor que está lutando para garantir o piso salarial, para poder sobreviver com dois ou três salários”, esbravejou.         
 
Por fim, o ministro da Educação disse que está disposto a conversar com parlamentares, professores e secretários para rediscutir o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), cuja vigência termina em 2020. O debate em plenário coincidiu com manifestações convocadas em todo o País contra o congelamento dos recursos.

Rhafael Padilha
 
     
 
     
 
       
 
Liderança do PSB na Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados - Anexo II - Bloco das Lideranças Partidárias Sala 114 Fone: (61) 3215-9650 - Fax: (61) 3215-9663
Assessoria de imprensa: (61) 3215-9656 • e-mail: imprensa.psb@camara.gov.br ® 2016 • Liderança do PSB na Câmara. Todos os direitos reservados.