14/02/2020
Tamanho
 

Lídice dá entrevista para Folha acerca de depoimento com falsas informações na CPMI

Dinho Souto   
 

Leia a entrevista na Íntegra:

Machismo está entranhado na política, afirma deputada

Após repórter da Folha ser ofendida, relatora quer estender CPI das Fake News

ENTREVISTA

LÍDICE DA MATA

Danielle Brant

Relatora da CPMI das Fake News, a deputada federal Lídice da Mata (PSB- BA) se diz indignada, mas não surpresa, com os insultos e ofensas de cunho sexual sofridos pela jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha, na última terça-feira (11) no Congresso.

Entre outras mentiras à comissão, Hans River do Rio Nascimento, ex-funcionário da agência de marketing digital Yacows, disse que Patrícia se insinuou sexualmente para obter informações para a reportagem em que revelou fraudes em CPFs para disparos em massa de mensagens pelo WhatsApp nas eleições presidenciais de 2018.

As acusações falsas de Hans encontraram respaldo em congressistas aliados a Jair Bolsonaro, entre eles o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente.

O parlamentar ajudou a reproduzir e a disseminar as mentiras contadas pelo ex-funcionário da Yacows aos membros da comissão.

"Essa coisa do machismo é tão enraizada de forma tão forte na política..." diz Lídice. "Está tão incorporado à cultura deles que eles não percebem. E outras vezes fazem com interesse mesmo perverso de desqualificar!'

Como a sra. vê o fato de um depoente ter prestado falso testemunho na CPMI? Foi um episódio lamentável. Nós temos de levar adiante a punição do depoente. A lei lhe permite também uma retratação, a procura da comissão ou da justiça para fazer uma retratação. Eu indico esse caminho.

Ele é fruto desse ambiente de desinformação, de campanha de desinformação no Brasil, que combina um roteiro, repete aquele roteiro e mobiliza as suas redes, espontâneas ou de robôs, para fazer aquela narrativa ou aquele roteiro ser o vitorioso.

Ele já chegou com uma predisposição. A fala do líder do PSL [na Câmara, Eduardo Bolsonaro] foi toda acusatória à jornalista. E posteriormente a fala de agressão a ela mais explícita, usando a insinuação maldosa, sórdida,feita pelo depoente, demonstra esse nexo entre o depoimento e o que estava se armando para repercutir. Mentir numa CPMI é crime, é grave. É perjúrio.

O que eu creio que aconteceu depois - diante da reação da própria Patrícia, publicada na Folha, negando ponto por ponto da fala no mesmo dia, e a reação e a solidariedade ao ataque absurdo na sua condição de mulher- é que eles começaram a tentar criar outra narrativa falsa. Buscaram dizer que os prints que foram usados eram outros.

O fato de ele ter prestado esse falso testemunho em relação à Patrícia não fragiliza as outras informações que ele trouxe? Fragiliza, mas ele não trouxe muito mais informação. Ele confirmou tudo o que a Patrícia denunciou na Folha, a verdade é essa.

Apesar de dizer que não deu aquela entrevista, tudo o que está na entrevista ele confirmou. Ele protegeu diversas pessoas. Ele não disse o nome de nenhum superintendente. É muito estranho que ele tenha uma memória tão detalhada para algumas coisas e simplesmente esqueça o nome do seu chefe imediato. E o ano em que ele começou a trabalhar.

Ele chegou a dizer que entrou na empresa quando o Lula foi preso [em abril de 2018]. Me pareceu muito mais uma referência provocativa, porque ele entrou na empresa em agosto e saiu em setembro.

Como o episódio de uma testemunha prestar falso testemunho na CPI afeta o trabalho de vocês? Reforça a necessidade da investigação, demonstra como a prática de disparos em massa é feita sem controle no Brasil. A CPI já convocou os donos da Yacows, e nós devemos levar adiante essa investigação.

A sra. vai propor a quebra de sigilo bancário e telefônico dele? Também. Mas nós vamos focar a empresa.

Por que a sra. sentiu a necessidade de acionar o Ministério Publico? Para não deixar passar muito tempo, para não dar essa impressão de que a CPMI não reagiu. Para não dar essa ideia de que quem quiser pode chegar aqui e fazer do jeito que quiser. Não pode ser assim. Há regras.

E que tipo de resultado a sra. espera da CPMI? Um cenário é o de chegarmos até o dia 13 de abril com o relatório pronto, e teremos ênfase na recomendação de projetos de lei.

O contato que eu tenho tido com as vítimas na política de fake news é a que as pessoas se perguntam a quem recorrer. Esse roteiro é preciso dar a quem é vítima de fake news.

E eu tenho uma posição de que a gente devia adiar o término, estendendo a CPMI pelo menos até junho para ganhar tempo, antes da eleição, de avançar na investigação propriamente dita de casos concretos.

Com mais tempo, o relatório poderia trazer um indiciamento mais sólido? Poderia trazer, por exemplo, um resultado de quebra de sigilo bancário e telefônico, coisa que fica quase impossível de se fazer com apenas um delegado da Polícia Federal. A equipe está avançando no seu trabalho, porém nós não podemos fazer isso sem ter tempo de construção.

A sra. acha que as eleições municipais vão ter um cenário tão forte de fake news como em 2018? Eu acho que vai ser tão complicado quanto. Porém, a eleição de 2020 é municipal. E a maioria dos municípios brasileiros tem menos de 50 mil habitantes.

Apesar do efeito deletério, num município pequeno as pessoas podem comprovar a prática daquilo que foi dito, porque elas se conhecem.

Então o que um fala do outro o povo mais ou menos já sabe o que é verdade e 0 que é mentira, é mais rápida a possibilidade de o desmentido chegarão conjunto da população.

Nos ataques de terça, houve muitos componentes de misoginia. Todos.

E a sra. tem uma atuação em defesa das mulheres. Colegas seus disseram que a sra. estava nervosa. Como viu isso?

Essa coisa do machismo é tão entranhada, tão enraizada de forma tão forte na política...

Como sabem que isso é uma coisa negativa na sociedade, principalmente nos dias atuais, quando a mulher já tem um nível de participação mais intensa na economia, nas atividades sociais, eles cometem o ato falho e fazem isso de forma muito espontânea.

Está tão incorporado à cultura deles que eles não percebem. E outras vezes fazem com interesse mesmo perverso de desqualificar. É sempre na intenção de desqualificar.

Eu tenho uma larga experiência, porque fui prefeita.

Eu brinco que um determinado meio de comunicação da cidade, quando falava de mim, dizia "a prefeitinha", porque sou baixinha. Eu dizia: "Interessante, porque nunca vi alguém ter coragem de chamar Franco [Francisco Franco, ditador espanhol] de Franquinho". Porque ele era baixinho. Ou Hitler [Adolf Hitler, ditador nazista] também, porque ele não era muito alto.

O pretexto de eu ser baixinha era usado muito mais no sentido de desqualificar, de diminuir a mulher. É um machismo rasteiro, primário, não chega nem a ser elaborado, que foi o que esse rapaz até fez.

Chamou a senhora de menina, né? É. Por que me chamar de menina? A outro se dirigiu como "moço", mas a mim como "menina". É um pouco para ir desqualificando, é natural. Está tão entranhado que eles se acham no direito de fazer assim e obter aplausos. E eu acho que chegou um momento de dar um basta nisso.

A sociedade está amadurecida, as mulheres conquistaram, ao longo dessa nossa luta na sociedade brasileira, espaços em que nós não podemos admitir a permanência desse discurso machista como uma arma constante na desqualificação da mulher em todas as áreas em que ela atua profissionalmente.

E aqui no Parlamento não é diferente. Escondem aqui e ali, mas qualquer vacilo você vai percebendo nas entrelinhas todo o discurso bastante entremeado desse pensamento machista.

Nesse primeiro ano de governo, que não faz muitos acenos às mulheres, a sra. viu uma involução? É claro que esse ambiente estimula. Eles se acham bonitinhos fazendo isso. Eles se acham poderosos fazendo isso, eles expõem vaidosamente o seu machismo. Porque ele é permitido, ele é consentido, ele é aprovado de alguma maneira.

Quando se põe uma mulher no governo, é uma mulher que, apesar de estar em um cargo público, afirma que as mulheres devem estar dentro de casa.

Isso é até uma contradição. Por que ela está lá se acha que as outras devem estar dentro de casa, o poder só pode ser para ela? É uma coisa bem estranha esse posicionamento.

-

Lídice da Mata, 63

Relatora da CPMI das Fake News, está em seu terceiro mandato como deputada federal. Na última eleição, pelo PSB, recebeu 104.348 votos. Foi a primeira senadora eleita da Bahia, em 2010, além de ter sido a primeira prefeita de Salvador (1993-1996)

Folha de São Paulo
 
     
 
     
 
       
 
Liderança do PSB na Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados - Anexo II - Bloco das Lideranças Partidárias Sala 114 Fone: (61) 3215-9650 - Fax: (61) 3215-9663
Assessoria de imprensa: (61) 3215-9656 • e-mail: imprensa.psb@camara.gov.br ® 2016 • Liderança do PSB na Câmara. Todos os direitos reservados.